30 de outubro de 2007

Realidade



Vamos lá minha gente!

Lá estava eu, numa salinha de cinema acompanhando o novo trabalho do diretor ,argentino naturalizado brasileiro,Hector Babenco de título O Passado ( El Pasado, Argentina, 2007) quando de repente, não mais que de repente ouço alguém dizer " absurdo! uma mulher jamais faria isso!". Mas pra você não ficar perdido no comentário , deixe-me esclarecer umas coisas.

O Passado conta a história de Rimini ( Gael García Bernal) e Sofia ( Analía Couceyro), casados há 12 anos que estão em fase de separação. O casal sempre foi, para todos, um exemplo de que o casamento pode dar certo, até o momento "X" em que a separação se consuma, eles mudam de apartamento, começam a separação das coisas e etc...
Até aí nada novo, um ajuda o outro, ela acha apartamento para os dois e até marca dias de visitas diferentes pra não correrem o risco de se cruzarem, tudo aparentemente civilizado até o dia em que ele sai mesmo do antigo apartamento e começa a viver sua vida de solteiro.

Na primeira semana, ela liga, manda carta, tenta saber como ele está e não há resposta, ele se afunda no trabalho, e depois começa a se envolver com outras mulheres. Aí começa o drama de Sofia.
No início ela usa a família para chegar a ele, depois vai pessoalmente, tudo muito calmo, respeitando as regras de civilidade, mas aos poucos ela vai fazendo com que a vida pessoal de Rimini desmorone, rodeando e cercando de tal maneira que a única maneira de ser feliz será ao lado dela.

Eis a revolta da mocinha que estava no cinema, ela afirma piamente que uma mulher JAMAIS seria capaz de fazer as coisas que a Sofia fez ( pra saber vocês terão que assistir!) mas convenhamos, quem já se apaixonou sabe bem que não ficamos em nosso estado normal.
Ainda mas se o ser apaixonado em questão for uma mulher, aí meu amigo a situação é quase trágica! A Sofia se envolve de tal maneira na vida de Rimini depois de separados que ela é capaz de saber onde ele está e a que horas, sabe de todas as mulheres com as quais esle está se envolvendo e sempre aparece " por coincidência" nos mesmos lugares que ele.

Vamos lá mulherada, não vale mentir... quem é que aceitou um fora numa boa, ainda mais quando ainda há amor pelo autor do pé na bunda?

Tem uma frase muito interessante no filme, a Sofia chama o Rimini pra ajudá-la a separar as fotos e ele diz " Não posso, o passado não pode ser desfeito, ele é um bloco, não se pode separá-lo" e aí é ponto pra Sofia que durante o filme faz questão de sempre arrastar esse bloco e não o desfaz por nada.

É uma história madura, pode até ser que você nunca tenha feito nada de absurdo por um amor, (na verdade pra mim qualquer ato de agrado a pessoa amada é uma loucura de amor, menor ou maior escala) mas tenho certeza de que em algum momento do filme você vai se identificar com o casal.
Ah! Não sei se já mencionei mas o Gael ilumina a tela, lindo como nunca meninas!

um abraço.

Crédito para a foto: www.cineclick.com.br

3 comentários:

Mari disse...

Concordo em gênero, número e grau com você. Como assim uma mulher dizer que nenhuma da "classe" nunca faria isso? Não sei se a invejo ou a admiro por nunca ter pagado de louca, encarnado a Glen Close e infernizado a vida um ser amado. Geeeeeente, faz parte! E ó, não é só de mulher, já soube de histórias de homens também. Vou ver o filme, com certeza fiquei curiosa...

Narjara disse...

Quem está apaixonado perde e razão e o senso das coisas ...
Que "jamais faria isso" coisa nenhuma ... qnd se está apaixonado fica-se burro e bobo!

Fabi disse...

Conheci uma Sofia que fez tudo muito igual comigo... com direito até a tal carta (que na verdade foi um email)... tudo muito parecido...