23 de setembro de 2009

Falando grego, inglês, russo... sei lá!

Tá. Todo mundo está careca de saber que eu gosto, e gosto mesmo, de comédias românticas. Me desculpem quem não curte, mas eu amo um filminho mamão com açúcar, daqueles bem melados que depois que a gente vê, fica até com medo de ser engolido por formigas.
Na semana passada eu fui fazer uma maratona de cinema, tiro ao menos 1 dia no mês para ver (no mesmo dia) dois ou três filmes. Lá estava eu, acabada depois de ter visto o Anti Cristo (a tão pôlemica película de Lars Von Trier) que ao sair da sala dei de cara com um cartaz lindinho, todo colorido, com o seguinte nome: Falando grego. Resultado? 5 minutos depois lá estava eu, de volta à sala de cinema. Ah, vou deixar o comentário do filme do Lars para minha sócia Bruna (certo sócia???).

Então vamos lá. Falando Grego (My life in ruins, EUA/Espanha 2009) é sim uma comédia romântica. Nia Vardalos (aquela mesma do Casamento Grego) é Gerogia, uma americana de origem grega, que mora na Grécia e trabalha como guia turística em uma agência decadente. Detalhe: ela ama a história da Grécia e quer passar isso para os turistas que, por outro lado, só querem tirar fotos e comprar bugigangas.

No meio disso tudo, junte um senhor experiente (Richard Dreyfuss - uótemo), os mais caricatos turistas (quem viajou em excursão vai se identificar e muito) e um motorista quietinho , meio bicho do mato que vira príncipe (AFE!!) no final.
Previsível? Sim. Batido. Talvez . Mas isso tudo não tira o mérito da produção que garante ótimas risadas e momentos agradáveis , não importa a companhia. Ah, e você ainda vai perceber uma crítica ao consumismo desenfreado e vazio. A turma no berço da civilização agindo como se estivessem na 25 de março! História que é bom , nada! A gente quer é gastar!

Tudo bem, tenho certeza que há quem diga que o roteiro é batido, no fim tudo acaba bem, que na vida não é assim, mas quem foi que disse que cinema tem que ser cabeça o tempo todo! Pelo amor de Deus minha gente, filminhos do tipo "quero isso pra mim" são sempre super bem-vindos!

E digo mais, Nia Vardalos se especializou em histórias com ligações gregas. Quem viu o filme que a lançou Casamento Grego, sabe disso. A moça dirige, produz e atua. Super talento. Tudo bem que nesse último ela não lembra em nada a gordinha do primeiro filme, a não ser pelo final romântico.
Além disso tudo, ainda há as belas paisagens da Grécia, as cômicas situações dos turistas (cada tipo!) e a música super alegre que embala o filme.

Em suma, vale o ingresso! Super indicado pra ver com as amigas e sair de lá falando do espetacular Alexis Georgoulis (o motorista - google nele meninas!) espetáculo de revelação! Mas se você for com o "bofis" não tem problema também, depois você liga para as amigas rs!

É isso, me contem depois!



Um comentário:

Bruna Bernordi disse...

É muito bom ter um parecer positivo, pois as críticas que li dizem que o filme é cópia de casamento grego e isso não me estimula tanto - é claro que eu gostei de casamento grego, achei ótimo -, mas sabe como é, últimamente não tenho ido tanto ao cinema e quando vou quero ver algo que não seja só sessão da tarde.
Com indicação da sócia já é diferente.
Agora vem cá, que ideia é essa de dizer que eu escreverei sobre Anti-Cristo ... preciso ser sincera, apesar de ter gostado demorarei alguns meses para digerir e expressar um parecer.

Bjos