19 de novembro de 2009

Anticristo.... evite quem puder

Uma amiga me ajudou a perceber que não há críticas negativas neste honorável blog. E não é que ela tem razão! Engraçado que isso passou e nem eu ou minha sócia percebemos isso. Não que tudo o que vemos nos agrada, longe disso, há muito o que escrever sobre filmes ruins (em nossa modesta opinião of course). A Bruninha já começou com o filme sobre a Chanel, agora é minha vez!
Já sei que muita gente vai discordar mas esse é um espaço democrático e ponto final. Fiquei super ansiosa para ver o último trabalho do diretor Lars Von Trier, o polêmico Anticristo (antichrist , 2009). A curiosidade era ainda maior pois o filme gerou muito falatório, barulho e assim por diante.

Por fim, cheguei ao cinema e quase não podia conter a animação de finalmente entender o que causava tanto blá bláblá quando , ao sair da sala, e dei conta de que não havia gostado nem um pouco da produção.

Os defensores de Lars podem até dizer que ele é polêmico, que suas obras fogem do senso comum e etc. Concordo. Fui ciente de quem é Lars, sua filmografia, seu estilo, tudo isso pesa na hora do julgamento, mas não teve jeito. É um filme que não recomendo a ninguém, agressivo, sem muito sentido, pertubador, enfim, uma obra que podemos muito bem viver sem.

O mote é um casal que se isola quando seu filho morre. No meio disso tudo, eles vão pra uma cabana no meio do nada. As atuações do casal Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg são louváveis, perfeitas, mas isso não faz do filme algo bacana.

Eu juro que terminei de ver e fiquei com a sensação de não saber de onde veio ou pra onde vai a produção. Não me disse nada. Li algumas críticas depois pra tentar achar algum sentido mas sem acordo, nadica de nada.

Enfim, pra mim é um filme que não vale o ingresso. Me perdoem os que gostaram. Terapia já para o senhor Lars. Eu que já era meio relutante quanto às obras desse cidadão, agora penso 3 vezes antes de conferir qualquer coisa dele. Isso é uma prova de que nem sempre o nome forte do diretor salva sua produção. Nome nem sempre é indicativo de qualidade.

beijos

2 comentários:

Bruna Bernordi disse...

O espaço é democrático, por isso eu venho aqui defender o filme, mesmo após a resenha da sócia.
Acho que ele peca em excessos, mas o brilho de um trabalho alternativo e completamente artístico, a meu ver prevalece!
Eu recomendo e para os que não aguentam tudo de uma vez, vale doses homeopáticas, capítulo, por capítulo.

Bjos

joaopj disse...

O Caos reina...